quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Réquiem


TÍTULO: Réquiem
AUTOR: Lauren Oliver
EDITORA: Intrínseca


Oi, pessoal. Lembram que há um tempo resenhei Delírio e Pandemônio, os dois volumes iniciais da trilogia de Lauren Oliver? Eu não gostei muito do primeiro, mas o segundo me empolgou a seguir até o final. E hoje vou contar pra vocês o que achei de Réquiem, o terceiro volume dessa história. Por isso, se você ainda não leu os outros livros, aconselho a ler as resenhas anteriores, pois essa aqui poderá conter spoilers.

Em Réquiem, Lena se encontra num conflito enorme. Ela acaba de jurar amor a Julien, mas descobre que Alex não estava morto, como ela imaginava. Agora ela precisa conviver com ele e com o aparente ódio que ele nutre por ela, enquanto tenta descobrir o que realmente sente.

O foco do livro, entretanto, não é o romance dos dois, mas sim os rumos que a Resistência está dando a suas ações. Os habitantes da Selva estão sendo cada vez mais hostilizados e precisam decidir que atitude tomar em relação a isso.

Paralelamente, é contada a história da amiga de Lena, Hanna, que está prestes a se casar com um importante político, mas descobre que a cura não fez o efeito desejado nela. Enquanto tenta encobrir isso das pessoas a sua volta, ela precisa descobrir quem, exatamente, é seu futuro marido.

Assim, cada capítulo é narrado sob a visão de uma das amigas, o que contribui bastante para a história que é contada nesse volume.

Aconteceu uma coisa curiosa em relação à essa trilogia. Eu geralmente começo uma série amando o primeiro volume e as sequências me decepcionam. É o caso de Divergente e A Seleção. Mas com Delírio, aconteceu algo contrário: eu achei o primeiro volume bem fraco e me pareceu que a série foi ficando melhor a cada volume.
Uma fanart de Julien e Lena :) retirada do DeviantArt

Não significa que eu tenha amado o final da série: ainda acho que faltou consistência no contexto inicial que a autora criou, faltaram algumas explicações que seriam necessárias para que o leitor se situasse, e mesmo com a história e os personagens evoluindo ao longo da narrativa, a falha ainda estava lá.

E por falar em evolução de personagens, eu gostei muito mais da Lena nessa reta final da história do que nos outros livros. A personagem passou por um amadurecimento que a tornou mais ativa e consciente.

Julian, um dos personagens que eu mais gostei no segundo livro, também passou por mudanças depois de suas experiências em Pandemônio.

Senti falta de Alex ao longo do livro... Eu sinceramente acredito que ele não precisava ter "voltado à vida". Não que eu não goste dele, acho o personagem um fofo, mas ele contribuiu muito pouco para esse volume, quase não teve participação na história, e a sua morte teria sido um marco para Lena, como um momento em que ela percebe o lado doloroso de optar pelo Deliria, ao invés da cura. Às vezes, tenho a impressão de que se criou uma obrigatoriedade de triângulos amorosos nas tramas que acaba empobrecendo-as.

Por fim, gostei muito de algumas reflexões que esse último livro frisou em relação à natureza humana. A crítica estava nos outros volumes, mas com o amadurecimento de Lena e do próprio enredo, foi muito interessante ver a mensagem que essa história tem para passar.

Faço que sim com a cabeça. Ainda é estranho imaginar que o garoto que vi naquele dia, o garoto-propaganda da causa antideliria, a encarnação da correção, podia ter a mais vaga relação com este garoto que anda ao meu lado, o cabelo emaranhado na testa como fios emaranhados de caramelo, o rosto vermelho de frio.
É isso que me espanta: que as pessoas são novas todos os dias. Que nunca são as mesmas. Precisamos inventá-las a todo momento, e elas precisam se reinventar também.
Página 79.
Então, no final das contas, fiquei feliz por ter concluído essa série. Ela não me agradou profundamente, mas pelo menos não me decepcionou como muitas leituras que fiz este ano.  Parece uma finalização pessimista para essa resenha... Enfim, indico a série para quem gosta de distopias, apesar de ainda acreditar que Destino e Jogos Vorazes são trilogias melhores desse gênero.

Nenhum comentário: