quinta-feira, 6 de março de 2014

O Pequeno Príncipe





TÍTULO: O pequeno príncipe 
AUTOR: Antoine de Saint-Exupéry
EDITORA: Agir

O Pequeno Príncipe é considerado um verdadeiro clássico entre os livros infanto-juvenis, mas eu ainda não havia me dedicado a ele. Na verdade, quando era mais nova, minha irmã me emprestou o exemplar dela, mas não consegui ir muito longe na leitura: por algum motivo na época o livro não me prendeu. Mas, como sempre ouvia comentários positivos a respeito dele, decidi que uma hora eu ia ler. E essa hora chegou! 

O enredo do livro parte de um narrador sem nome, que no passado teve alguns problemas com os adultos por causa de seus desenhos que ninguém conseguia compreender e cresceu se tornando um piloto de avião.  Numa de suas viagens, o avião sofre uma pane e ele é obrigado a fazer um pouso de emergência no deserto. 

Enquanto conserta o avião, surge uma figura misteriosa, um menino, e pede que ele desenhe um carneiro. E é assim que somos apresentados ao Pequeno Príncipe. Em seguida, conhecemos sua história e descobrimos como ele foi parar ali. 





Um dos pontos mais trabalhados ao longo de texto é a forma como os adultos enxergam a criança, como os adultos e as crianças têm visões diferentes e comportamentos diferentes diante das coisas. De uma forma metafórica, o autor aponta o comportamento dos adultos para com as crianças, assim como nos mostra um pouco da visão infantil do mundo. 

O Pequeno Príncipe jamais abria mão de uma pergunta, uma vez tendo-a formulado. Eu estava irritado com o parafuso e respondi qualquer coisa: 
-Os espinhos não servem para nada. São pura maldade das flores. 
-Oh!
Mas, após um silêncio, falou-me com uma espécie de rancor:
-Não acredito! As flores são fracas. São ingênuas. Elas se protegem como podem. Creem que seus espinhos são armas terríveis. 
Página 26. 

Também existe uma mensagem muito interessante a respeito do amor e dos laços que construímos com as pessoas através da convivência. 





-O essencial é invisível aos olhos – repetiu o pequeno príncipe, para não se esquecer. 
-Foi o tempo que você perdeu com sua rosa que a tornou tão importante. 
Página 72. 

Essa leitura foi muito rápida de ser feita, mas nem por isso foi menos mágica ou reflexiva. Com menos de 100 páginas, uma letra grande e bem espaçada e vocabulário simples, esse é um texto bem acessível, pra todas as idades. 

O livro é um encanto, porque tem várias ilustrações do autor entre o texto, todos muito fofos, com traços simples e cores suaves. A nova edição, com capa azul, conta também com página em azul com letra branca, dando um visual ainda mais bonito para o interior do livro e tornando mais atrativo a um primeiro olhar. 





Finalmente matei minha curiosidade a respeito desse livro e entendo que seja tão bem comentado, afinal, é um livro que no conjunto é encantador e cativante. Ele ainda não desbancou Alice no País das Maravilhas, que continua sendo meu clássico infanto-juvenil preferido. Mas é um livro bom e gostoso de ler e recomendo pra qualquer pessoa, de qualquer idade! Realmente não tem como não gostar desse livro. 

5 comentários:

Paula Lisboa disse...

Um dos livros mais lindos que eu já li na vida. As mensagens vão além das entrelinhas, são lições pra vida inteira!

Alice Aguiar disse...

confesso eu acho legalzinho, mas ainda sim não gostei do livro acredita?
ahahshs sério.
awn obrigada por me seguir no blog, vim retribuir viu <3

Josiani Pospichil disse...

"Alice no País das Maravilhas" também é meu clássico infanto-juvenil favorito, mas "O Pequeno Príncipe" vem em seguida. Gosto muito do diálogo com a raposa.

HONORATO, Sandro disse...

Boa tarde,
Como vai?

Acho que esta foi uma das primeiras leituraa da minha vida *-*
Bacana sua resenha,deu vontade de reler :)

Bom,e ai como anda a vida? Trabalhando no seu livro né?
Beijos e se cuida

Rimas do Preto

Camila Deus Dará disse...

Li quando era pequena, tinha uns 9 anos, o livro era da minha mãe, de quando ela era pequena, então estava todo arrebentado. kkk Mas mesmo assim eu adorei!

Beijos :)