quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Paredes Vivas


 
Autora: Rosa Mattos
Editora: Dracaena

A resenha de hoje é bastante especial! Vou falar sobre minha leitura do livro Paredes Vivas, da minha amiga Rosa Mattos, que gentilmente me enviou um exemplar do livro.

Antes de falar do texto propriamente dito, gostaria de fazer algumas considerações sobre apresentação do livro. A capa por si só é bem bonita! Achei os detalhes delicados e o resultado harmonioso. A diagramação do texto é bem feita, com um bom espaço entre linhas e uma boa fonte, confortável para a leitura. Além disso, parabenizo autora e editora pelo cuidado com revisão, pois não me recordo de ter encontrado nenhum erro ortográfico ou de digitação.

Agora, partamos para a história. A narrativa é feita pela personagem central da história, uma jovem chamada Mauren, e começa com a morte do pai dela, numa pescaria na misteriosa Lagoa dos Barros, quando a menina tinha apenas oito anos. A partir desse acontecimento, diversas tragédias acontecem durante a vida de Mauren e ela tem que conviver com a culpa que sente pela morte do pai (ele fora pescar porque ela dissera que gostaria de comer peixe em seu aniversário, no dia seguinte) e com uma misteriosa doença que sua mãe apresenta. Paralelamente, temos a relação de Mauren com Tobias, um menino que lhe propõe desafios no cemitério e por quem ela passa a nutrir sentimentos. Um desses desafios, porém, como a própria sinopse aponta, vai trazer resultados assombrosos.

Como não quero dar spoilers aos futuros leitores, me limitarei a falar apenas isso sobre o enredo e vou passar às minhas impressões sobre a obra.

A leitura é fluida, rápida e muito gostosa. O vocabulário utilizado é bastante simples, o que gera essa agilidade. Através da forma de escrita é possível, também, se identificar muito com a personagem que conta a história, afinal, além de nos contar os fatos, ela expõe seus pensamentos e sentimentos.
Um aguaceiro desabou sobre a cidade, me tirando da cama antes da hora. Era cedo. A casa ainda estava silenciosa. O relógio redondo da parede do meu quarto marcava seis horas. Cedo demais para eu me levantar. Meus olhos ardiam de sono, pois novamente eu tivera muitos sonhos ruins. É difícil dormir com a cabeça cheia de sombras. Ah, se mamãe estivesse melhor, eu teria disparado para o quarto dela como fiz tantas vezes ao ter pesadelos. Respirei fundo. Aguentei firme. E não fui perturbá-la.Página 23.
Mauren, de forma geral, foi uma personagem com a qual me identifiquei e pela qual torci. Mesmo com todas as tragédias por que passa, está sempre preocupada com o bem das pessoas que ama e demonstra muita força nas situações que enfrenta, mesmo que algumas vezes tenha Tobias como um apoio.
-Confie no seu príncipe – disse Tobias de um jeito irresistível e dando uma piscadela. 
-Eu confio – falei, sorrindo. Página 134.
Achei o texto instigante, com um suspense leve, unido a cenas de conteúdo sobrenatural e romance, tudo bem pesado e costurado, já que os dois focos (os problemas familiares de Mauren e sua relação com Tobias) são bem administrados, sendo alternados. Assim, temos cenas mais voltadas ao suspense que envolve a família da protagonista, alternadas com cenas mais românticas entre ela e Tobias e cenas mais voltadas para os desafios que o rapaz propõe. Logicamente, em alguns momentos essas facetas da história se cruzam.
-Não posso mais sair à noite, Tobias. As coisas mudaram. Eu gostava dos desafios. Mas minha vida está fugindo entre os meus dedos. Você não faz ideia de como é ver mamãe se consumindo na minha frente.Página 88.
A história é simples, mas bem conduzida e por isso mesmo desperta a curiosidade do leitor, fazendo-o desenvolver teorias a respeito dos problemas de Mauren e da consequência dos desafios no cemitério, que aparecem apenas na segunda metade do livro.

Uma foto da Lagoa tão presente na história. Eu mesma tirei a foto =]

Algo que me agradou foi o fato de a história ser ambientada em Santo Antônio e utilizar lendas locais referentes à Lagoa dos Barros para sua ambientação. Como conheço esses lugares, foi muito mais fácil imaginar a história se passando ali. Para quem não os conhece, no entanto, não ocorrem perdas de sentido na leitura.
Eu não. Eu temia os fantasmas da lagoa. A mulher de branco que andava pela estrada pedindo carona aos motoristas ou passantes. Os mortos-vivos que saíam durante a noite em busca de alimento. Os espíritos com sede de vingança, vagando à procura de novas vítimas. Página 10.
Enfim, para terminar esse texto, recomendo a leitura para qualquer um que esteja procurando por uma leitura leve, agradável e instigante. Se você gosta de romance, de suspense e de toques sobrenaturais, vai gostar do livro tanto quanto eu!


Sobre a autora do livro: 

Rosa é gaúcha e vive, atualmente, em Porto Alegre. Começou a escrever aos 13 anos e publicou seu primeiro livro (Coletânea de contos de Rosa Mattos) em 2011, através do site Clube de Autores. Em 2012 lançou outro livro através do site (Sopros de uma flor) com poesias e pensamentos. Paredes Vivas é seu primeiro romance. 

2 comentários:

Rosa Mattos disse...

Muito obrigada, Niki, pela forma gentil e sensível como descreveu minha obra.

"A leitura é fluida, rápida e muito gostosa." Que ótimo ler isso, porque quando escrevemos uma história queremos que ela seja uma leitura prazerosa e não aborreça e nem faça o leitor jogar o livro de lado no meio da narrativa.

A foto que tirou da Lagoa dos Barros ficou muito boa. Gostei tanto que usei lá na fanpage do livro, para ilustrar a chamada desta resenha.

Beijos amiga e sucesso em seu novo livro.

Camila Deus Dará disse...

Não conhecia esse livro ainda, mas achei interessante.
Vou colocar na minha lista, mas ela tá tão grande, não consegui ler muito esse ano, tudo por conta da faculdade. :(

Beijos, Niki!