quinta-feira, 11 de julho de 2013

Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban

Página do livro no Skoob

        Seguindo com a série de resenhas sobre Harry Potter, dessa vez o alvo é o terceiro volume: O prisioneiro de Azkaban.
        Harry está na casa dos tios, aguardando o inicio do novo ano letivo, mas uma desagradável surpresa testará sua paciência: a visita da irmã de tio Valter, tia Guida, que não perde uma chance de aborrecê-lo.
        Apesar de se controlar ao máximo durante a permanência da mulher na casa, na última noite da visita, Harry perde a cabeça quando seus pais são insultados por Guida e acaba, sem querer, fazendo-a inflar como um balão.
        Ainda com raiva, o menino deixa a casa dos tios com seu malão cheio de equipamentos de bruxaria e seus demais pertences. Sem saber o que fazer, Harry se senta num muro para decidir o que fazer e se assusta com a aparição de um enorme cão negro. Ao cair erguendo a varinha mágica, o garoto acaba chamando um transporte bruxo: o Noitibus Andante.
        No ônibus, ele descobre que um homem muito perigoso escapou de Azkaban, prisão dos bruxos. Esse fugitivo, chamado Sirius Black, teria sido o servo mais fiel de Lord Voldemort.
Por fim, o menino chega ao Beco Diagonal, a rua de lojas de bruxaria, e é recebido pelo Ministro da Magia em pessoa. Tranquilizado pelo homem, Harry passa algumas semanas divertidas no hotel do Beco Diagonal até retornar para seu terceiro ano letivo.
        Mas, por causa da fuga de Black, a escola inteira está sendo vigiada por Dementadores, os guardas de Azkaban, que são criaturas horríveis, que sugam a felicidade e a alma das pessoas.  Essa medida de segurança deixa todos um pouco perturbados e preocupa muito Harry, que desmaia e se sente muito mal quando está perto dos guardas.
        Além do apoio de seus amigos, o menino contará com a ajuda do novo professor de Defesa contra as artes das trevas, Remo Lupin, para lidar com esse problema.
        No final das contas, porém, o fugitivo pode ter muito mais relação com a vida de Harry do que ele imagina.
        Nesse volume o leitor recebe referências importantes sobre o passado de Harry e sobre os pais do bruxo. Fatos sobre a vida dos pais irão ser contados a Harry, inclusive alguns que tem tudo a ver com a morte deles. Harry também irá conhecer alguns dos melhores amigos dos pais e a partir desse encontro, conhecera um pouco mais sobre suas origens.
        Como mencionei na resenha de A câmara secreta, considero que o segundo e o terceiro volumes da série têm uma importância fundamental para construir algumas das questões do restante da série.
        Se em A câmara secreta temos a apresentação de alguns elementos que voltarão a aparecer no futuro da saga, em Prisioneiro de Azkaban temos um retorno, uma explicação de como Harry perdeu os pais e um pouco sobre o passado misterioso do garoto.
        De todos os livros da série, esse foi o primeiro do qual tive meu próprio exemplar (os outros dois eu peguei emprestado e comprei há uns dois anos atrás) e também foi o volume que eu li mais vezes... É meu preferido da série, por causa da apresentação dos Marotos, pelos personagens que aparecem na história. Enfim, esse volume em especifico é meu favorito, apesar de eu adorar a história inteira.
        O livro é razoavelmente mais sombrio do que o segundo, principalmente pela presença dos dementadores e pelas descobertas perturbadoras de Harry. Ainda assim, mantém leveza: para mim, essa gradação do efeito sombrio da história é muito boa. Tudo começa mágico e inocente e vai se tornando mais complexo e sombrio ao longo de cada título. Outra característica que me faz amar o trabalho da Howling. Porque além de ter essa questão, o crescimento dos personagens é notável: ao contrário de outros personagens de série, que permanecem com suas personalidades intactas do primeiro ao último volume, Harry e seus amigos se modificam a partir de suas vivências e apesar de suas essências não mudarem, seu comportamento e seus pensamentos evoluem.

        O desfecho do livro, como nos outros volumes, é fechado: essa parte da aventura terminou e fica a curiosidade de saber como seguirá a saga do bruxo depois das descobertas bombásticas de seu terceiro ano. 

Link da imagem


Um comentário:

Patricia Souza disse...

Eu só li até o terceiro livro dessa série, e até o momento esse foi o melhor, as histórias são sempre muito bem fechadas apesar de se tratar de série.

Beijos
Leituras da Paty