quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Capitão Maurício e os Ratinhos Marinheiros






Era feriado, mas o Maurício estava entediado.
Passeava pela casa, meio amuado, até chegar a área de serviço, onde encontrou o tanque de lavar roupas cheio de água, que a Filomena deixara ali para lavar a calçada mais tarde. Num minuto teve a ideia: ia fazer barquinhos e brincar que aquele era o mar!
Foi até a despensa da casa, para pegar jornais e revistas velhos para dobrar em barquinhos e encontrou o seu amigo, o ratinho que vivia no sótão da sua casa.
-Oi, ratinho! Você está sempre aprontando aqui pela minha casa, neh? Um dia desses a Filomena te pega e te bate com a vassoura! – Exclamou o menino, pegando o bichinho na mão.
Ele era tão pequenino, que bem que podia caber nos barquinhos que o Maurício ia fazer.
-Eu já sei! Você quer brincar comigo e navegar num barquinho?
Como ele não reagiu, o Maurício o carregou até a área de serviço e colocou-o no chão, antes de começar a construir sua frota.
O Cassiano – que era o ratinho que sempre acabava encontrando o Maurício pela casa – cheirava o papel, observava, esperava...  E quando o menino terminou de preparar os barcos, colocou o Cassiano dentro de um eles e pôs na água.
O bicho guinchou de alegria e se divertiu flutuando, enquanto o menino ria.
Não demorou para que uns bigodes curiosos surgissem por ali: eram os irmãos e amigos do Cassiano, que queriam saber o que acontecia.
O Maurício decidiu que também podiam brincar e eles acharam que podia ser. Assim, em pouco tempo, havia vinte barquinhos, com vinte ratinhos, flutuando na água, sob o comando do valente capitão Maurício, de chapéu de jornal na cabeça.

***
Mais uma aventura do Ratinho Cassiano. Espero que não tenham enjoado dele, porque ador escrever essas histórias! 
Aproveito para desejar um ótimo feriado pra vocês. 
Até a próxima. 

3 comentários:

HONORATO, Sandro disse...

Boa noite Niki :)
Como foi o feriado?

Gostei da história *-*
Simples mas bem gostosa de ler >.<

Olha,desejo a ti uma excelente semana
Beijos e cuide-se
Rimas Do Preto

Isie Fernandes disse...

Oi, Niki.

Oh, que máximo esse conto! Você tem jeito para histórias infantis, deveria investir nisso. ;) Ah, não acho ruim, não. Eu gosto do Cassiano e do Maurício. Só fico tentando imaginar como essa casa consegue ficar tão cheia de ratos. rsrs... Coitada da mãe do Maurício. =P

PS. Tem sorteio de livro nacional lá no blog (Memória Marte).

Beijos,

Isie Fernandes - de Dai para Isie

Graziella Mafraly disse...

Muito bom!
Lembrei da minha infância... não é que eu tivesse um amigo como o Cassiano, mas minha avó chamava-se Filomena e eu cansei de brincar no tanque dela... rs...
Fiquei um pouco preocupada de algum adulto ver o Maurício brincando com os ratinhos e surtar... mas esse é só meu lado tragicômico falando mais alto (ou meu lado adulto demais).
Parabéns pelo conto e a Isie tem razão, você leva jeito com histórias infantis.
Grande abraço.