segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Walking in the air

Olá povo! Estou numa fase muito boa dessa minha vidinha... Ao que tudo indica, logo terei novidades pra contar a vocês. Esse ano realmente está sendo uma maravilha na minha vida.
Enfim, quando eu tiver certezas, juro que conto tudo. XD Enquanto isso, vamos a mais um conto. Esse nem era pra ter título de música, foi baseado numa imagem, mas só pra não perder o hábito...

WALKING IN THE AIR




A festa não estava das melhores. Sentada numa das mesas, Lígia esperava Martha e Aline, suas duas amigas, voltarem do banheiro. Elas pareciam ter sido raptadas por alienígenas, porque já estavam no banheiro havia uns bons 15 minutos. Já começava a se questionar, porque aceitara ir à festa. Tivera que gastar 50 reais na fantasia de Julieta e ainda pagar a entrada. E agora estava ali, esquecida pelas amigas.

Estava olhando na direção do salão, onde várias pessoas dançavam e conversavam, bebendo cerveja. Quando virou-se, viu uma mão estendida e levou um susto. Era uma mão encoberta por uma luva preta. Uma oferta de dança... O cara era meio estranho. Estava vestindo uma fantasia de Zorro e a única parte realmente visível de seu corpo era a região do queixo. Por um momento, Lígia pensou em recusar aquela silenciosa oferta. Mas... O que tinha a perder?
Levantou-se e o Zorro a guiou pelo canto do salão. Ele não foi, como ela imaginava, para o meio do salão, mas sim para fora do prédio, onde havia um jardim simples.
-Então... Por que estamos aqui fora? – Ela perguntou, tentando entender aquela situação. “Ele deve ta chumbado e pensando que vou aceitar sair nesse escuro...”, pensou ressabiada.
-Tomar um ar. – Ele respondeu. – Não gosto da música.
-Ah... Bem, e por que foi até mim?
-Parecia entediada. Achei que também não estivesse gostando.
A boca dela se abriu, pronta para falar impropérios, como “você lê pensamentos por acaso? Como pode afirmar que eu não estava me divertindo?”, mas sabia que seria idiotice, sobretudo porque era latente sua infelicidade.
-É, na verdade eu vim nessa festa só pela insistência de duas amigas e no fim das contas elas me abandonaram.
-Fico feliz que tenha vindo. Assim, tenho companhia. Gosta de música clássica? Vejo que sua fantasia é de Julieta...
-Gosto, por quê?
-Concederia uma valsa, a esse cavaleiro do México?
-Ta de brincadeira? Nem tem música de valsa aqui e eu... Eu não sei dançar.
-Não é difícil, posso lhe ensinar. E a música... Essa pode vir do silêncio.
O cara tava chapado. Só podia ser.
-Eu... Eu acho que... – Lígia tentou negar, mas ele era muito persuasivo. – Dá pra tentar. - Logo estava com uma das mãos pousadas sobre a capa de Zorro, sendo guiada em passos que iam e vinham.
A princípio, sentiu uma louca vontade de rir. Se alguém saísse da festa e visse os dois, provavelmente iria pensar que eram dois birutas. E ela própria pensava que fossem.
Depois de alguns minutos, começou a se sentir tonta, no meio de tantos rodopios e passos. Não era como se tivesse ficado bêbada ou tomado um remédio forte, era um tipo de tontura gostoso, leve. Sentia-se uma pluma.
Quando parecia que o mundo tinha começado a girar e estrelinhas a aparecer, Zorro parou bruscamente.
-Creio que precise descansar um pouco.
Assentiu com a cabeça, enquanto sentava-se num banco de pedra que havia sobre a grama. Tinham se afastado um pouco da varanda da casa onde a festa estava acontecendo, mas Lígia não estava mais preocupada, nem conseguia pensar nos medos que tivera quando ele a levara para fora da casa.
-Você sempre rapta garotas e dança com elas no jardim? – Ela tentou ser bem humorada, quebrar o silêncio. Não se sentia confortável ficando em silêncio.
-Apenas algumas vezes.
Os dois sorriram.
Ele ocupara a outra ponta do banco, de modo que apenas alguns centímetros os separavam.
A garota vestida de Julieta se perguntava qual era o sentido daquilo tudo. Estava sendo um acontecimento maluco... Pegou-se olhando para ele. Não conseguia deduzir quem era, tampouco podia saber se era bonito... Mas devia ser...
Ele virou-se para ela, encarando-a. Tinha olhos azuis. Lindos olhos azuis. Hipnóticos olhos azuis...
E, como ela previu, assim que ele a encarou, seus rostos foram se aproximando até que seus lábios se roçassem, suavemente, provocando um arrepio na nuca dela. As bocas se abriram, dando lugar para que as duas línguas se encontrassem, num movimento quase preguiçoso.
Os braços encontraram pescoços e os quadris se colaram.
E por alguns minutos, o tempo parou.
Só voltou a correr quando se separaram. Lígia meio vesga, sentia o rosto quente, a respiração mais ofegante do que antes.
-Bem... isso... Não esperava... – Ela falou depois de alguns minutos de silêncio.
-Não é o tipo de coisa que a gente espera. – Ele parecia tão displicente com aquele assunto. Quisera ela ser assim também e não ficar chocada com tudo aquilo.
-Não vai nem me dizer seu nome?
-Você já sabe. Sou o Zorro.
Sem saber o que responder, ela apenas deu um leve sorriso.
Carinha confuso...
Ficaram algum tempo ali ainda, até que ele viu que já era tarde. Voltaram ao prédio, se despediram: ele tinha que ir embora.
-Bom ter te conhecido, Zorro. Se quiser, posso te dar meu telefone... – Ela falou.
-A gente se esbarra. – Ele sorriu largamente e se foi.
Lígia ficou atônita, parada ali, sentindo uma raiva mortal. Pra que toda aquela pompa, se no fim das contas o sujeitinho ia embora e nem telefone deixava. Nem nome, nem nada... Só uma lembrança... Só... Só... Só aquela coisa que fazia o coração dela descompassar.
“Canalha...”, pensou no primeiro momento. Depois abrandou. Era só uma festa. Uma noite... Um sonho. E talvez se repetisse.

Nenhum comentário: